Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

TECNOLOGIA, CELULARES E SENSORES AJUDAM COM OS IDOSOS

TECNOLOGIA, CELULARES E SENSORES AJUDAM COM OS IDOSOS
5 (100%) 16 votos

A tecnologia e os celulares vieram para ajudar todos nós, mas na vida dos idosos, ela agrega algo especial, facilitando o monitoramento e autonomia.

– Assistente virtual

As assistentes virtuais podem ajudar os idosos a ligar para parentes, amigos, pedir um taxi, encontrar um mercado e assim por diante. Se a pessoal estiver passando mal, por exemplo, basta pedir a assistente que ligue para alguém e ela fará isso rapidinho.

– Relógios Inteligentes

Engana-se quem pensa que os relógios inteligentes servem apenas para pessoas que querem se manter atualizados ou que praticam esportes. Com esse objeto, é possível medir os batimentos cardíacos, ficando fácil de detectar qualquer alteração.

Sem falar que o relógio também pode lembrar da hora do remédio, dos compromissos e até da novela!

– Acessibilidade

Os celulares oferecem inúmeros recursos que facilitam a vida de quem possui alguma deficiência ou dificuldade. Você pode aumentar o tamanho das letras, mudar as cores e escrever por um sistema de ditado, no qual a pessoa fala, e o sistema escreve.

 

CELULARES E APLICATIVOS ASSISTIVOS

 

 

Os celulares podem facilitar que as pessoas mais idosas continuem morando em suas casas graças a diferentes sistemas de sensores que alertam seus familiares ou cuidadores em caso de alguma anomalia.

 

O setor da tecnologia para cuidar de idosos é um mercado crescente, e um grande número de fabricantes apresentaram suas últimas novidades no Mobile World Congress (MWC), a maior feira da indústria móvel, que aconteceu em Barcelona.
O objetivo é conseguir um lugar no “mercado sênior”, que deve atingir um valor de 20 bilhões de dólares em 2020 só nos Estados Unidos.
O interesse no setor é crescente: por um lado, a geração do “baby boom” está envelhecendo e “representa um amplo segmento do mercado”, e por outro os sensores ficam mais baratos e tornam o negócio mais viável.

E A PRIVACIDADE?

Respeito à privacidade? -A start-up londrina Voltaware mostrou um sistema que utiliza um sensor instalado na caixa de fusíveis da residência. Este dispositivo transmite os dados de consumo elétrico via wi-fi a um servidor virtual que os analisa.
Se a pessoa idosa não se levanta pela manhã e liga a cafeteira, como é habitual, o sistema detecta a falta de atividade e o cuidador é avisado através de uma mensagem de texto.
O serviço está sendo oferecido em período de testes por duas companhias elétricas no Reino Unido e uma na Itália.
“Se fosse feito com câmeras, seriam necessárias várias para ver a imagem completa, o que é caro. Nosso sistema não é muito caro porque só é necessário um sensor por residência”, disse o
 presidente da Voltaware, Sergey Ogorodnov.
Outro sistema, desenvolvido pela companhia israelense Vayyar, especializada em imagem 3D, utiliza ondas de rádio para detectar em que quarto a pessoa se encontra.
O sistema, que requer um só sensor no centro do imóvel, permite identificar se a pessoa está sentada, em pé, deitada e inclusive se está respirando. Se cai ou para de respirar, seu cuidador recebe um alerta.
Em relação às possíveis preocupações com a privacidade dos usuários ante esta monitorização, os fabricantes argumentam que são os próprios idosos que costumam pedir estes sistemas e que podem desligá-los quando quiserem.
Além disso, os sensores não gravam imagens como os sistemas de videovigilância, de modo que seu uso é mais apropriado em espaços pessoais como banheiros, disse o diretor de marketing da Vayyar, Malcolm Berman.
“Os sensores te permitem uma monitorização realmente sofisticada sem ter que se preocupar com as questões de privacidade”, disse.

Necessidades

 

 

Envelhecimento demográfico -Espera-se que a necessidade de produtos tecnológicos que ajudem os idosos a viver em casa por mais tempo cresça consideravelmente no futuro, dadas as atuais tendências demográficas mundiais.
Globalmente, a população maior de de 60 anos deve se multiplicar até 2100, crescendo até 3,1 bilhões, em comparação com os 962 milhões atuais, segundo as estimações das Nações Unidas.
Para 2050, está previsto que mais de um terço da população europeia tenha 60 anos ou mais.
A empresa sueca de telecomunicações Doro, líder do mercado em telefones celulares fáceis de usar para idosos, revelou um sistema de monitorização de residência baseado em sensores que pode mandar um texto se os usuários caírem ou deixarem a geladeira aberta.
Em um futuro próximo, os sensores poderiam ser usados, inclusive, para prever quando uma pessoa está a ponto de cair.
A start-up canadense Aerial patenteou um sistema que analisa o comportamento humano em uma casa seguindo as alterações no sinal do wi-fi quando uma pessoa se move.
A informação está disponível em um aplicativo, permitindo aos familiares controlarem se seu parente se levantou, por exemplo.
A companhia trabalha em uma versão mais avançada que alerta quando a pessoa está em risco de cair, ao detectar mudanças bruscas na velocidade de seu passo.
Há um forte desejo de que os idosos vivam em casa o máximo de tempo que puderem. Qualquer tipo de independência que possam manter é ótimo.

 

Gostou do Artigo?? Deixe o seu comentário e compartilhe com os amigos.

×