Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

CONTO AQUELE OLHAR POR APARECIDA CAMILO

CONTO AQUELE OLHAR POR APARECIDA CAMILO
5 (100%) 5 votos

 

 

 

Aquele Olhar…

 

Quando ainda bem jovem, eu adorava sentar num banco embaixo de umas mangueiras, do lado da casa onde eu morava. Era um lugar tão bonito! Este lugar guarda toda minha lembrança juvenil. Eu tinha um banquinho bem confortável e sentava sozinha naquele lugar. Eu ficava ali por horas.

E uma vez, estava eu no meu banco, de olhos fechados, sonhando com minha vida futura e sobre as coisas que eu gostaria de fazer quando eu crescesse. Era uma noite esplêndida e enluarada. Abri os olhos e vi que havia chegado outra garota, e ali se sentou ao meu lado, assim como eu, ela também estava sozinha.

 

 

Voltei a fechar os olhos, e a garota falou-me: você não vai conversar comigo?! Meus olhos estavam fechados, então eu pensei: enfim alguém para roubar-me a paz. Eu abri os olhos e a olhei com certa carranca, ela me olhou e disse: “você tem mãe?”

Eu pensei, e pensei, e respondi: “não sei, talvez”, por quê? Perguntei-lhe, no que ela me respondeu, a minha acabou de morrer, naquele momento, eu a olhei e lhe perguntei: qual a sensação de saber que a mãe da gente morreu? Ela respondeu-me, não sei, quando percebi ela estava com os olhos muito tristes e lágrimas escorriam pela sua face, ela olhava para o Céu com um olhar que só compreendi muitos anos depois, quando estava passando pela mesma situação. Aquele olhar perguntava para o nosso Criador, o motivo de tanta dor.

 

Ambas ficamos sentadas em silêncio, sem mais nenhuma palavra. Depois de um tempo, ela levantou-se e ia saindo, quando eu a chamei e dei-lhe um abraço acolhedor e disse-lhe que lamentava o acontecido, ela agradeceu-me e se foi, e eu fiquei ali, parada e sozinha novamente. E por mais que eu tentasse não pensar naquela pobre jovem que acabara de perder sua mãe, eu não conseguia também aceitar que eu não fizera nada para amenizar sua dor, pois eu estava mais preocupada em ficar sozinha, pois eu até aquele dia, não havia chegado alguma pessoa sequer necessitando de um apoio, sem ter que necessariamente falar.

E ali, naquele momento, eu aprendi que daquele dia em diante, eu prestaria atenção nas necessidades de qualquer um que viesse até mim, e assim o é.

Eu atingi um ponto naquela noite silenciosa. E aquela menina triste e sozinha foi meu melhor mestre, na arte de compreender e sentir os que se aproximassem de mim. E, se agora, alguém vem me falar de suas angustias e anseios, eu procuro compensar de alguma forma as suas necessidades. E assim, eu consigo fechar os olhos e mergulhar no mais íntimo de mim, para me renovar em cada amanhecer.

 

 

 

Aparecida Camilo , Advogada atuante e Pós-Graduada em Língua Portuguesa, durante seu tempo por aqui entre todos que denominamos humanos, sempre lidou com pessoas. Não seria diferente a escolha de sua profissão. Trabalhou pouco em sua vida, mas sempre gostou de estudar e estudou um pouco. Não saberia dizer em que idade se encontra, pois tem dia que vive a sapiência e o silêncio dos 100 anos, outro vive o glamour dos 20, outro a introspecção dos 40, e ainda tem aquele dia que ela vive somente a teimosia dos 5 anos de idade, em seu Registro de Nascimento consta que ela completou 54, com gratidão a este Universo tão vasto e bonito que nos faz sonhar e esperançar, que chamamos Deus e vive sempre com as possibilidades que a vida apresenta, o seu lema é: viver um dia por vez, aprendizado que obteve ao longo de sua vida e espera ainda viver na serenidade.

E-mail: aparecidacamilo@hotmail.com

https://www.facebook.com/aparecida.camilo.33

 

Gostou do Artigo?? Deixe o seu comentário e compartilhe com os amigos.

×