INTIMIDADE NAS RELAÇÕES- POR RENATA FORNAZZARI

É na intimidade que tudo acontece.

É nela que encontramos um espaço seguro e acolhedor de nós mesmos.

Ser íntimo de alguém, é um ato de amor, generosidade e confiança.

Você entrega o que tem de mais “seu” ao outro, e permite que este outro entregue o que tem de mais ele a você.


Quando falamos de intimidade nas relações amorosas, diferente do que muitos pensam, nada tem a ver com ter intimidade sexual.

Tampouco tem a ver com público e privado.

Ser íntimo de alguém é muito mais complexo que isso.

A palavra íntimo vem do latim, intĭmus. E alguns dicionários trazem seus adjetivos como

“Relativo a ou que compõe a essência de algo”,

“Relativo a ou que tem lugar nos recantos da mente ou da alma”.

Você pode ter intimidade sexual com alguém, mas também pode ter uma intimidade afetiva,

como é o caso das relações com amigos e familiares.

Quanto as relações amorosas, uma pessoa pode sentir-se íntimo (a) sexualmente de alguém,

mas não sentir-se muito confortável em outros contextos, como em um evento social por exemplo.

Ser íntimo nada tem a ver com tempo de convívio, estar ou não casados,

estarem próximo ou distantes,

é algo que vem da ordem da afinidade e do desejo de estar com o outro.

Quantas vezes você já conheceu alguém que rapidamente ocupou esse lugar de “pessoa íntima”.

Ouso dizer que o verdadeiro erotismo está na sensação de nos sentirmos íntimos, ligados,

conectados, afiados, ao nosso objeto de desejo.

É na intimidade, na confiança de que podemos nos lançar ao universo da privacidade compartilhada que nos libertamos.

Ser íntimo é estar livre para exercer aquilo que se é, com a garantia de que o outro te colocará naquele mesmo lugar de confiável.

Se você é dessas pessoas que conhece muita gente, que sai e interage com distintas pessoas,

mas sente que essas relações são pouco satisfatórias.

Observe quais têm sido seus critérios de escolha.


.

Talvez suas escolhas não estejam pautadas na conexão com o outro,

mas sim na satisfação do desejo.

Desejo de não estar só, desejo de satisfazer apenas uma necessidade sexual,

desejo de cuidado…

O que pode ser um gatilho para sentimentos de frustração, arrependimentos e solidão.

.Ainda que seja apenas uma aventura de uma noite…

Reflitam!

Renata Fornazzari

 

Renata Fornazzari

Psicóloga Clínica,  Pós-graduada em Gestão de Pessoas pela PUC-Santiago/Chile e Especializanda em Terapia,

Educação e Saúde Sexual pelo Centro de Estudo e Pesquisa Hospital Pérola Byington.

https://www.facebook.com/refornazzari

Instagram: @misspsique

E-mail: renatapsisp@gmail.com

 

Gostou do Artigo?? Deixe o seu comentário e compartilhe com os amigos.