VINHO-POR ADELE PEREIRA

Abro a garrafa sinto o aroma de vinho.
Saboreio lentamente
Começo folhear manuscrito da memória
lembranças
Histórias vividas aos longo anos de vida
passados


Meus textos amorosos minhas escritas
memoráveis extasiantes

Degusto o sabor seco com ardor. Vermelho
rubro cor de sangue


Língua mordas afiada segura, seca a boca
bebo mais sem presa
Embriago-me no torpor de toda uma vida,
esqueço as horas
Garrafa pela metade apoio maldito amargo
fere o corpo

Lembro seus aposentos sua cama em dossel
cortinada aveludada
Segredos passado guardado trancado das
alcovas de amores
Comodo vazio solitário, molho os lábios seco
alma ressequida
Na penumbra são vultos trêmulos andantes
a luz de velas fantasmagórico

Esboço sorriso sem alegria ,cerro os olhos
caem as lagrimas quentes
Subestimei minha sorte meu querer minhas
vontades tento esquecer
Mais uma noite na embriagues encho a taça
sorvo o liquido até acabar


Amanhece o dia, o recomeçar de um novo
dia em agonia

ADELE PEREIRA
11/01/20

Adele Pereira

Não tenho Idade numérica, tenho datas comemorativas de vivências .

Aposentada me direcionei ao prazer de escrever, anjos me descobriram.

Deram asas a minha imaginação e me vi blogueira , escritora,

colunista  e os poetas ,que me perdoem:poetisa.

Palavras dançam na minha mente ,e transporto para o papel, sonhos,ilusões e amor.

Apaixonada pela vida, em busca de ser feliz, sentir o amor.

É assim Adelia De Melo, está Adele Pereira.

Email: adeliapvmelo@hotmail.com

Gostou do Artigo?? Deixe o seu comentário e compartilhe com os amigos.