Envelhecer

AUTOCUIDADO E AUTOAMOR

AUTOCUIDADO E AUTOAMOR: UMA INTRODUÇÃO

 Dulce Amélia de Brito Neves

 

Em nosso dia a dia cuidamos da aparência com maquiagem, roupas belas e finas, joias, adornos dos mais diversos. Nos cuidamos para sermos melhores recebidos, apontados como elegantes, educados, inteligentes, dignos da admiração dos conhecidos, amigos e colegas.

Diariamente fazemos um ritual de beleza levando em conta nosso aspecto físico. Geralmente atrelarmos nosso bem-estar geral aos aspectos exteriores restritos a aparência. Então penso e me pergunto: todo este ritual nos completa? Nos faz mais feliz? Leva-nos a realização interior?

Fazemos nossa higiene física, mas e a higiene mental? E a espiritual? Olhamos para nós mesmos com carinho, ou apenas com críticas por termos ganho alguns quilos a mais, uma nova ruga, cabelos brancos, etc?

No entanto, ao deixar de praticar os rituais matinais e noturnos a nossa limpeza energética, espiritual e emocional ficarão comprometidas. Por mais que pareçamos arrumados fisicamente nosso interior estará “bagunçado”. Toda organização aparente fracassa.

Do mesmo modo que escovamos os dentes pela manhã é necessário que cuidemos da nossa energia espiritual e emocional. As dores são tantas e de toda ordem que o medo nos toma por completo,

E quando não olhamos para nossas necessidades interiores, existe um sentimento devastador que vem aos poucos e pode nos pegar de surpresa: o medo, que nos paralisa, sufoca, apavora, nos cega.

E que podemos fazer para combater este terror? Um passo importante para a cura é a decisão de mudar. Olharmos para nós mesmos, buscarmos ver/senti nossas necessidades sutis.

Se não estamos acostumados a praticar auto-observação, como identificar o “inimigo interior”? Na verdade, sabemos que nosso “desequilíbrio” costuma se manifestar através de doenças em nosso corpo físico.

Muitas vezes esta “voz interior” pode nos parecer loucura, algo esquizofrênico e o medo de estarmos ficando loucos vem forte. Que fazer? Este é um momento crucial, no qual precisamos ter controle para compreendermos quando pedimos socorro a nós mesmo e procurarmos ajuda, seja psicológica ou espiritual.

Todo nosso futuro está em jogo e a decisão que tomarmos, podemos criar um diálogo interior, são apenas nossos pensamentos tentando entrar em contato conosco para nos levar a um certo caminho. Temos muitos pensamentos ao mesmo tempo afora o que ocorre a nossa volta e pode tornar-se repetitivo.

Sei como é isto, pois também passei e passo por isto. Me acostumei a ter muitos pensamentos ao mesmo tempo, além de ser multitarefas. Hoje em dia aprendi a lidar com tudo isto e, sei, que não se trata de uma doença incurável, mas autoconhecimento tem me auxiliado a usar estas “habilidades” em meu favor. Mesmo em si tratando da “Síndrome do pensamento acelerado” foi identificado pelo psiquiatra Augusto Cury.

Encontrei um caminho mais tranquilo para lidar com toda essa situação criando novos hábitos, como: praticar uma respiração mais eficiente, que realmente oxigene o corpo físico, uso de orações de minha preferência, ouvir o canto dos pássaros, apreciar a natureza, cultivar uma plantinha que aprecio, entre outras atividades que aprecio.

Aprendi que com algumas atitudes que podemos tornar nosso existir mais leve.

Dulce Amélia de Brito Neves

Dulce Amélia de Brito Neves
Terapeuta holística registrada na
ABRATH Associação Brasileira de Terapeutas Holísticos
Ativista do Movimento #Stopidadismo
Colunista do Blog Envelhecer com Estilo

Facebook: https://www.facebook.com/dulceamelia.neves

Instagram: https://www.instagram.com/dulceameliaterapeutica/

Fonte:

STERNBERG, Robert J. Psicologia cognitiva. 4.ed. Artmed, Porto Alegre, 2008. 584 p.

TIRGUEIRO, Manuel. A voz interior: a voz do pensamento. E-book

 

One thought on “AUTOCUIDADO E AUTOAMOR

  • Esse texto da Dulce Amélia sobre Autocuidado e Autoamor é uma reflexão super importante pois leva a refletir sobre o que realmente importa na nossa qualidade de vida, principalmente ao que se refere ao emocional e o espiritual.
    Sem dúvida ser bem recebida e elogiada por nossa aparência é bom, mas, olhar no espelho com o coração cheio de alegria por reconhecer nosso crescimento numa busca contínua de evolução não tem preço.
    É a felicidade gratuita, é a alegria e o reconhecimento de sermos quem verdadeiramente somos com aceitação por nossas dificuldades e gratidão por nossas qualidades.
    Gratidão pelo texto tão bem escrito e tão didático.
    Parabéns!!!

    Resposta

Gostou do Artigo?? Deixe o seu comentário!!

Pular para o conteúdo