Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

VIVA A SUA PRÓPRIA VIDA, NÃO A DOS OUTROS…

VIVA A SUA PRÓPRIA VIDA, NÃO A DOS OUTROS…
5 (100%) 15 votos

 

 

 

Acredito mesmo que Deus nos deu a vida, para que cada um cuide da sua.

Se formos atentos, focados, dedicados ao crescimento e evolução pessoal, já teremos trabalho suficiente para nos mantermos ocupados durante grande parte do tempo.

Viver a vida de alguém, além de não ser saudável, é desrespeito à própria vida e à vida do próximo, pois cada qual tem seu próprio tempo, aprendizado e evolução a conquistar.

Ajudar, orientar e aliviar o fardo do outro em momentos pontuais é ser fraterno, solidário e empático, mas querer cuidar da vida do próximo chega a ser uma violação da responsabilidade que cabe ao outro, é podar suas asas e impedi-lo de crescer e tornar-se alguém melhor.

Cuidemos de nossas mentes, de nossos corações, dessa maneira melhoraremos nossa vida e seremos mais capazes de ajudar e incentivar ao próximo a tornar-se alguém mais competente para resolver e superar seus próprios problemas.

Viver e deixar que o outro viva conforme sua mente e seu coração é um ato de respeito e confiança. É dar oportunidade para que o outro cometa seus próprios erros e aprenda a lidar com suas frustrações. É ajudar na sua capacitação para a resiliência. É um ato de amor.

Respeitar as escolhas alheias, mesmo que sejam totalmente contrárias a nossa maneira de pensar, sentir e agir é um exercício que devemos fazer com serenidade e confiança.

Mostrar que se respeita a forma de ser do outro e informá-lo de que se está presente e aberto para ajudar, caso seja necessário, sem críticas nem julgamentos é a melhor maneira para contribuir para o crescimento e a evolução, tanto a do próximo como a nossa.

 

 

Abrir mão do controle e da tentativa de mudar o outro é um grande aprendizado que quando assimilado favorece o crescimento e a evolução emocional e espiritual.

Não temos o direito de interferir na maneira de agir do outro, nem mesmo daqueles a quem amamos, a menos que ele mesmo nos peça.

Geralmente o que motiva a interferência é o mais profundo desejo de impedir que o outro sofra, que cometa um erro, que se engane.

Mesmo assim, estaremos desrespeitando seu livre arbítrio, seu direito a errar e a aprender com os erros.

A vida é uma escola e todos temos o direito de cursá-la da forma que escolhermos.

Temos o direito de aprender com nossos erros e o dever de assumir a responsabilidade por todos os erros que cometermos.

Cada erro cometido é uma lição aprendida.

Caso não aprendamos a lição, a vida nos dará outras oportunidades, cabe a cada um de nós escolhermos aprender ou seguir errando até que chegue o momento em que vamos cansar de cometer os mesmos erros e então, aprenderemos a devida lição.

 

 

Não existe maior prova de amor e respeito do que permitir que o outro cometa os próprios erros e aprenda com cada um deles, enquanto observamos de longe e nos oferecemos para, caso ele precise de ajuda, venha a pedi-la na certeza de que estaremos prontos para ajudá-lo no que nos for possível.

Nada além disso, os limites existem para serem respeitados.

De nada adiantaria permitir que o outro cometa um erro atrás do outro e quando esgotar seus recursos venha pedir ajuda, para que consertemos tudo o que ele fez de errado.

Isso seria um erro ainda maior. Cada um deve saber que tem o direito de errar, mas tem também o dever de assumir as consequências de seus erros, caso contrário não haveria nenhum aprendizado.

A função do erro é ensinar o que não fazer e abrir a mente e o coração de cada um de nós para uma nova maneira de encarar os fatos.

Assim como não erramos pelo outro, também não devemos reparar os erros que o outro cometeu, podemos ajudá-lo a encontrar novos caminhos e dar algum suporte para uma nova escolha, mas o reparo é por conta dele.

Assim como o erro foi dele, também a responsabilidade e a necessidade de restauro o são.

O erro muitas vezes transforma; depois da frustração, vem o aprendizado e com ele a resiliência, que nada mais é do que assumir a responsabilidade e desenvolver a capacidade de superação.

Ensinar a viver é mostrar a forma correta de fazer alguma coisa, deixando em aberto a possibilidade de que seja feita de uma maneira diferente daquela que é certa sob o nosso modo de ver e fazer.

 

O que é o certo para mim, pode não ser para você e apesar de fazermos algo de maneiras diferentes, tanto eu quanto você podemos ter excelentes resultados, ou não. Não existem garantias para a vida. Tudo o que existe é aprendizado, crescimento e evolução.

Quando permitimos que o outro se expresse da forma como escolher, estamos dando mais do que um voto de confiança, estamos dando uma prova de amor.

Pense nisso!

Gostou desse texto? Curta, comente, compartilhe….e receba minha Gratidão!

Lourdes Ganzeli

 

 

 

 

 

 

 

 

Superior em Artes Plásticas -Universidade Mackenzie

Pós graduação em Plantas Medicinais e Gestão de Qualidade Total e Produtividade Faculdade

Oswaldo Cruz e Universidade Ibirapuera. Pós graduação de Semiologia e História da Economia Mundial Contemporânea USP.

Estudiosa de terapias holísticas: Florais, Numerologia, Astrologia, Geobiologia, Fonosofia e Fonoterapia, Fisiognomonia Holística

e Leitura Corporal, Fitoterapia, Cromoterapia, Iridologia Orgânica e Comportamental, Reike, Radiestesia e Radiônica,

Magnified Healing, Cura Prânica e Feng Shui, entre outros.

Fez Consultoria para revistas : Guia de Saúde São Paulo, Casa & Família, Bons Fluidos e Revista Saúde.

Face: https://www.facebook.com/lourdes.ganzeli

Canal do youtube https://www.youtube.com/user/lourdesganzeli

Gostou do Artigo?? Deixe o seu comentário e compartilhe com os amigos.

×